Toda a comunidade está convidada a participar das atrações realizadas por alunos de entidades especializadas na formação da pessoa com deficiência e por voluntários. Promovendo a igualdade de direitos e de oportunidades a todos os cidadãos, a maior celebração da inclusão social de São Paulo vai estar presente em São Caetano do Sul.

Com a promoção da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo e de parceiros em vários municípios, pela primeira vez São Caetano participa da Virada Inclusiva com programação própria.

Sob a gestão da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência ou Mobilidade Reduzida (Sedef), as atividades na cidade acontecerão no domingo, 3 de dezembro, Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.

De acordo com Adriana Gomes da Fonseca, Secretária Municipal da pasta, a proposta de trazer a Virada Inclusiva para São Caetano do Sul surgiu de uma “peregrinação” que passou pelas secretarias da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo, de outras cidades, e culminou no Memorial da Inclusão. “Nestas visitas nos foi apresentada a Virada Inclusiva”, diz.

No próximo domingo, entre as 10h e as 16h, cidadãos com e sem deficiência participarão das ações de integração do deficiente à vida ativa em sociedade. São alunos da rede pública de ensino, a comunidade que faz uso dos serviços prestados pela Fundação Municipal “Anne Sullivan” (FUMAS), pelo Centro de Triagem Neonatal e Estimulação Neurossensorial “Dr. Tatuya Kawakami” (CTNEN), alunos dos Centros Integrados de Saúde e Educação da Terceira Idade (CISES), dos cursos de LIBRAS oferecidos pela Sedef, e ainda o voluntariado em geral.

“São Caetano do Sul trabalha com a inclusão educacional desde 2009. As professoras especialistas já desenvolvem uma ação nas escolas inclusivas. Achamos que seria uma grande oportunidade de dar visibilidade ao nosso programa de educação inclusiva trazendo atrações da nossa educação”, explica Adriana Fonseca. “Teremos também o esporte adaptado para os munícipes com e sem deficiência e atividades para a terceira idade”, acrescenta.

A Secretária esclarece que a conquista dos voluntários neste que é um projeto pioneiro na cidade se deu por meio de uma ampla rede de divulgação, “de amigos, das próprias escolas, instituições. Todos foram indicando voluntários. Inclusive, contamos com voluntários de municípios vizinhos.”

São Caetano do Sul é pioneira, dentre as sete cidades que formam o Grande ABC, a aderir à programação da Virada Inclusiva. “Trazer a virada para a região é interessante porque os outros municípios também se tornaram solícitos, solidários para participar conosco deste evento”, ressalta Adriana Fonseca. O fato também favorece a atração do público que antes se deslocava até a capital para curtir o evento.

“Está mais do que na hora de trazermos para a região um evento mais próximo, que firma o compromisso de São Caetano do Sul com as pessoas com deficiência, quebrando as barreiras. E a maior barreira é a atitudinal: não adianta fornecer os recursos quando eles ainda não são aceitos nas ruas, nas escolas, quando o deficiente não consegue usufruir da cultura porque não tem acessibilidade. O que mais queremos é que essa pessoa saia de casa no dia 3 e venha pra rua!”, convida a Secretária.

As atrações esportivas e de lazer serão distribuídas pela extensão da Rua de Lazer da Avenida Presidente Kennedy, com a concentração das atividades culturais na Praça dos Imigrantes.

As apresentações terão total acessibilidade aos munícipes.

Confira a programação, disponível também na página oficial do evento: viradainclusiva.sedpcd.sp.gov.br

Praça dos Imigrantes
10h – 16h: Pintura com a boca e pés
Exposição de obras de artes e demonstração de pintura ao vivo, com os artistas que pintam com a boca e com os pés.
Realização: Associação Pintores com a Boca e Pés

Palco Principal

10h – 10h30: Zumba
Além da tradicional aula de zumba, serão demonstradas as modalidades Zumba Chair e Zumba Gold, em que os professores ministram a aula sentados, com menos impactos e sem giros, propondo a percepção e a execução dos movimentos por todos os participantes.
Coordenação de Alan Ferreira. Professores: Patricia, Janaina, Raffaela e Cecília.
Realização: Equipe de Zumba Professor Alan Ferreira

10h30: Ballet Adaptado
Apresentação do Ballet Adaptado, com coreografia em homenagem à Maria Montessori, pedagoga conhecida por ter criado o Método Montessori.
Coreógrafas: Elen Araujo e Valéria Savassa
Direção Geral: Sandra Amaral
Realização: Escola Municipal de Bailado Laura Thomé

10h50: Dança
Alunos da “Escola de Educação Básica Anne Sullivan” e assistidos apresentam as danças “O circo” e “Praia Luau”, onde todos interagem, expressando seus sentimentos de alegria e satisfação.
Realização: Fundação Municipal Anne Sullivan

11h: Coral em LIBRAS
Apresentação da música “Família”, dos Titãs, em linguagem de sinais. Recorte do “Projeto Família”, desenvolvido por alunos do 5º ano do Ensino Fundamental, da Escola Municipal 28 de Julho.
Realização: Secretaria Municipal de Educação – Programa de Inclusão Educacional

11h30 – 12h: Batucaps
Grupo formado em 2014, instituído para a inclusão social. Iniciou como uma oficina cultural formada por trabalhadores e usuários do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), visando oferecer um vínculo com a música. Tem por base o “maracatu e diversos outros ritmos brasileiros”. É composto por 15 pessoas que se apresentam pela região Metropolitana.
Responsáveis: Clayton, Flavio e Tiago
Realização: CAPS III – Adulto Primavera (Município de Mauá) – Voluntários da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência ou Mobilidade Reduzida

13h: Tai Chi Chuan
Apresentação Tai Chi Chuan estilo Yang, sequência dos dezoito movimentos com espada. Mestre: Nathan Gamba Tonini
Realização: Nathan Gamba Tonini, voluntário da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência ou Mobilidade Reduzida

13h30: Dança Terceira Idade
Sob o comando do professor Homero Lope, as aulas de dança proporcionam mais qualidade de vida aos idosos, promovendo a melhora da autoestima e a integração. A atividade é praticada pelos alunos do Centro Integrado de Saúde e Educação da Terceira Idade (CISE) “Francisco Coriollano”, “João Castaldelli”, “João Nicolau Braido” e “Moacyr Rodrigues”.
Realização: Coordenadoria Municipal da Terceira Idade

13h40/ 15h10: Stand Up em LIBRAS
O professor Marcelo Bessa, deficiente auditivo, faz apresentações de Stand Up em linguagem de sinais.
Realização: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência ou Mobilidade Reduzida

14h30: Forró Terceira Idade
O forró é um estilo musical nordestino característico, no qual se inserem o xote, o baião ou o xaxado. Dançar o forró traz benefícios para saúde física, cardiovascular e pode ainda ser um recurso para a melhora da saúde mental de seus praticantes. O número de dança fica por conta dos alunos do Centro Integrado de Saúde e Educação da Terceira Idade (CISE) “Francisco Coriollano”, “João Castaldelli”, “João Nicolau Braido” e “Moacyr Rodrigues”. Quem coordena o bailado é o professor Guilherme da Silva Ferreira.
Realização: Coordenadoria Municipal da Terceira Idade

15h: Dança “Inclusão – Uma experiência sensorial de amor”
Parte do “Projeto Diversidade”, desenvolvido pelos alunos do 5º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Elvira Paolilo Braido. Coreografia da professora de dança Daniele Fernando.
Realização: Secretaria Municipal de Educação – Programa de Inclusão Educacional

16h: Banda de Rock RedCape
Show da banda RedCape, com estilo de músicas próprias ao estilo Indie Rock e clássicos dos anos 1990. O grupo conta com as mais variadas influências, provenientes das bagagens e gostos diferentes de cada integrante: partindo do Punk Rock, passando pelo Indie Folk e pelo Psicodélico, flertando também com o Progressivo. É essa variedade de influências, gostos e experiências musicais que faz com que a RedCape seja inovadora e única.
Realização: voluntários da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência ou Mobilidade Reduzida

Pergolado

10h30 – 12h/ 14h – 15h30: Circuito Sensorial
Circuito sensório-motor, desenvolvido pela equipe do CTNEN, com estações multifuncionais e atividades que estimulam o equilíbrio, o movimento, a coordenação e a percepção tátil.
Realização: Centro de Triagem Neonatal e Estimulação Neurossensorial “Dr. Tatuya Kawakami” (CTNEN)

12h/ 15h30: Contação de História
“A verdadeira história dos três porquinhos”, pela perspectiva do Lobo Mau. Será que ele é tão mau assim? Com Luciana Faria de Carvalho e Jerry Souza (intérprete de LIBRAS)
Realização: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência ou Mobilidade Reduzida

Avenida Presidente Kennedy – “Rua de Lazer” – CISE João Castaldelli

10h – 12h/ 14h – 16h: Circuito Esportivo
Circuito “Cross” composto por oito estações. Contempla capacidades físicas e habilidades motoras, considerando a adaptabilidade inclusiva.
Realização: Secretaria Municipal de Esporte, Lazer e Juventude

11h – 11h30: Yoga Conection
Viviane Oliveira é praticante de yoga há mais de 17 anos e instrutora há mais de sete. Misturando técnicas do Hatha Yoga e Flow, assim como do Yoga Restaurativo e Meditação, o Yoga Conection visa oferecer a qualquer pessoa a vivência prática e adaptada, com foco no alongamento da musculatura e articulações, assim como na respiração, relaxamento e meditação. De forma geral, a prática do yoga ajuda a equilibrar o corpo, a mente e as emoções.
Realização: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência ou Mobilidade Reduzida

11h30/ 15h: Vôlei Adaptado
Com origem em um jogo lúdico chamado Câmbio e no voleibol tradicional, o voleibol adaptado é uma modalidade esportiva direcionada à terceira idade. Surgiu em 1998 como parte dos Jogos Regionais do Idoso (JORI), em São Paulo. É desenvolvido pelas regras oficiais da modalidade tradicional, salvas algumas exceções previstas em regulamento. Melhora de modo significativo a autoestima dos participantes, assim como a estrutura corporal e capacidades físicas. Praticado pelas alunas do CISE “João Nicolau Braido”, com a professora Silvania Finardi.
Realização: Coordenadoria Municipal da Terceira Idade

12h – 12h30: Bateria da Atlética USCS
“Então sinta esse surdo que racha muro e esse tamborim que quebra a vidraça, que essa é a Batucada Geral USCS.” Fundada em 2012, sempre em busca de evolução e com forte influência das escolas de São Paulo, a Batucada Geral USCS mostra todo seu ritmo, criatividade e samba no pé. Mestre de Bateria: Renan Serrano Montesante. Diretoria: Philip Perroud, Nathalia Araujo, Hygor Tenório, Tayrine Arnesi, Agatha Azevedo, Adriano Spalla, Leticia Garcia e Andreas Costa.
Realização: Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS)

14h – 14h30: Capoeira Mestre Gêra
Apresentação dos alunos do Mestre Gêra e vivência dos movimentos.
Realização: Grupo de capoeira – Mestre Gêra

Virada Inclusiva 2017

A 8º edição da Virada Inclusiva, evento de integração e de visibilidade à pessoa com deficiência, acontece entre os dias 1 e 3 de dezembro no Centro de Exposições Imigrantes, na capital e, ao mesmo tempo, em diversos municípios do Estado.

O evento fornece para toda a população atividades culturais, esportivas e de lazer, que atribuem visibilidade ao papel ativo que a pessoa com deficiência exerce na sociedade. Assim, por meio de atividades lúdicas e de entretenimento, é fomentada a educação inclusiva, iniciativa que promove o pleno exercício da cidadania por todos.

Idealizada e coordenada pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, a Virada Inclusiva é gerida pela Abaçaí Organização Social de Cultura. Conta também com uma ampla rede de parceiros e colaboradores voluntários. As ações em torno do evento formam uma extensa programação gratuita e acessível em todo o Estado de São Paulo, em uma grande celebração da diversidade humana.

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência

O Dia Internacional da Pessoa com Deficiência foi instituído pela Organização das Nações Unidas em outubro de 1992. A partir de então, a cada 3 de dezembro, é estimulada uma reflexão sobre os direitos da pessoa com deficiência.

A iniciativa tem por objetivo conscientizar a sociedade para a igualdade de oportunidades a todos os cidadãos, promover os direitos humanos, celebrar as conquistas e pensar a inclusão desse segmento na sociedade enquanto parte ativa dos programas e políticas que o afeta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here